Expediente Fale conosco
Jornal PUC  
Comunicar 30 anos Brasão da PUC-Rio
Entrevista

Química cria Central Analítica Por: Marcelo Antonio Ferreira/ Foto: Fernanda P Szuster

 Diretor e professora do Departamento de química, José Marcus Godoy e Gisele Birman
Diretor e professora do Departamento de química, José Marcus Godoy e Gisele Birman

O Departamento de Química inaugura a Central Analítica Padre Leopoldo Hainberger, S.J., um espaço com competência técnica-científica da Universidade para prestar serviços analíticos em diversas áreas do conhecimento. Na quinta-feira, 30, ocorre um simpósio para o lançamento da Central, às 16h30, no Decanato do CTC, no 12º andar, do Edifício Cardeal Leme. O diretor do Departamento, professor José Marcus Godoy, e a gerente da Central, professora Gisele Birman comentam sobre os serviços do novo empreendimento, que vai integrar os 20 laboratórios da Química e leva o nome do fundador do Departamento na década de 1960.

O que é a Central Analítica?

Gisele Birman: A Central Analítica é uma nova forma de organização de serviço com um sistema híbrido, tanto para o público da Universidade como também para o público externo. Já havia a ideia da Central, mas de uma forma disseminada. A idealização de vender serviços, prestar consultorias, colaborar com outros departamentos, em outras universidades, e em empresas e indústrias já existia. A ideia de centralizar e organizar já era latente. Então, aproveitamos o momento de crise para nos reorganizarmos e nos apresentarmos formalmente para o mercado interno e externo. E com a diretriz das agências de fomento, para que isso fosse feito de forma organizada, para o gerenciamento de equipamentos de grande porte.

José Marcus Godoy: Muitas vezes, os clientes não querem apenas a análise, também querem a interpretação daquele resultado. E, na maioria dos casos, é apenas entregue um laudo com percentuais. Uma das coisas que achamos importante de colocar como um plus em relação ao que existe no mercado é essa leitura dos resultados. Não é nosso objetivo competir com os laboratórios comerciais, pois não temos escalas. O que colocamos é que não vamos simplesmente dar um boletim de análise.

Com que objetivo a Central foi criada?

Godoy: Estamos vivendo um momento diferente de alguns anos atrás. Praticamente todos os professores tinham contratos de pesquisas com empresas de petróleo. Havia uma capacidade financeira que permitia a possibilidade de gerenciar um laboratório, com um número razoável de pessoas, pois havia uma demanda de pesquisas, que vinham dessas indústrias. O volume que se tinha de amostra todo mês era muito grande. A situação atual é justamente o oposto. Há uma dificuldade, na área química pelo menos, de se conseguir esses financiamentos. A manutenção desses espaços se tornou muito cara para cada um desses professores poder manter. Porém, foi feito um investimento muito grande na aquisição desses aparelhos. E seria um retrocesso muito grande deixar esses equipamentos se deteriorarem. Então, a ideia da Central Analítica foi evitar a duplicação de funções e pessoal, e tentar reduzir os custos de manutenções desse laboratório.

Qual o diferencial da Central Analítica?

Godoy: Temos uma junção de laboratórios, consequentemente, multiplicamos o leque de serviços que oferecemos. Por exemplo: meu laboratório trabalha muito com a parte de água, com componentes inorgânicos, no geral. Não com a parte contaminante dos orgânicos, como pesticida. Se fosse restrito ao meu laboratório, esse tipo de ensaio não seria feito. E hoje podemos oferecer, pois quando chega nesse guichê, sabemos se, caso o cliente queira determinação de pesticidas, ele vai para o laboratório do 6º andar. Juntamos toda a capacidade analítica de todos os parceiros da Central.

Como a Central pode colaborar com o desenvolvimento dos alunos?

Gisele: Dentro da PUC, com a possibilidade que temos de trabalhar com esses equipamentos de grande porte e última geração, os nossos alunos, tanto de graduação quanto de pós-graduação, vão estar capacitados de uma forma diferenciada em relação a outras universidades, que não têm esse parque instrumental. Eles vão ingressar no mercado de trabalho com essa possibilidade de operar, trabalhar e entender a química analítica de ponta, no estado da arte que existe hoje, em termos instrumentais.

Publicada em: 24/03/2017 Ver matérias da seção: Entrevista

Nesta Edição

anterior < Um espaço de troca e criação Confira a entrevista com o coo...

próxima > Hortal: inspiração do PUC-Rio mais de 50 O PUC-Rio Mais de 50 se assumi...

DESTAQUES

Consciência Negra

O seminário Consciência Negra – Identidade, História e Resistência ocorrerá na quinta-feira, 23, às 8h30, no Auditório Padre José de Anchietal. Leia mais

Pés na Trilha

A Coordenação de Educação Física realizará a atividade Pés na Trilha no sábado, 25, às 7h, na Trilha Praias Selvagens, na Barra de Guaratiba. Leia mais

Doação de Cestas de Natal

Alimentos não perecíveis podem ser entregues no posto de coleta nos pilotis da Ala Kennedy, para a campanha de doação de cestas de natal. Leia mais

Posse Novo Diretor de Engenharia

O professor Nei Dumont toma posse nesta quinta-feira, 23. Leia mais

Projeto CineLetras

Na terça-feira, 21, às 18h, o projeto CineLetras apresenta o drama A Qualquer Custa.
Leia mais

Pós-doutorado CTC

As inscrições para a bolsa de pós-doutorado em Engenharia Industrial pelo Programa Nacional de Pós-Doutorado (PNPD) vão até o dia 1° de dezembro. Leia mais