Expediente Fale conosco
Jornal PUC  
Comunicar 30 anos Brasão da PUC-Rio
Entrevista

Tecnologia no Ensino Superior Por: Marcelo Antonio Ferreira

Com o crescimento acelerado do uso das tecnologias no dia a dia e seu impacto no aprendizado, novos métodos de ensino se fazem cada vez mais essenciais ao universo acadêmico. Alinhada às melhores práticas de universidades de todo o mundo, a Vice-Reitoria para Assuntos Acadêmicos promove o I Seminário de Práticas Inovadoras no Ensino Superior, no dia 5 de junho, às 14h, no auditório FB-8 - Ala Frings do Edifício da Amizade. Na oportunidade, professores apresentarão experiências e resultados de sucesso no uso de tecnologias digitais de comunicação na sala de aula e fora dela. O Vice-reitor Acadêmico, professor José Ricardo Bergmann, e a coordenadora central de Educação a Distância (CCEAD), professora Gilda Helena B. de Campos, falam sobre a iniciativa.

É uma política da Universidade a adesão dos professores às novas abordagens de ensino com uso da tecnologia?
José Ricardo Bergmann
: A Universidade entende que é importante estabelecer políticas que incentivem os professores a conhecer e a utilizar as novas tecnologias, descobrindo novas formas de se relacionar com seus alunos, dentro e fora de sala de aula. O uso das tecnologias de informação e comunicação é apenas um dos aspectos desenvolvidos, existem vários grupos pensando e trabalhando em novas metodologias de ensino. Com o seminário, gostaríamos de compartilhar experiências no uso das mídias digitais pelos professores, visando ampliar sua utilização e discutir novas abordagens. É importante mobilizar não só os professores, mas também os alunos de pós-graduação interessados em seguir a carreira acadêmica.
Como se apresenta a legislação em relação a este tema?
Gilda Helena de Campos:
Existem diversos instrumentos e decretos ditando quais são possibilidades de mudanças nos métodos de ensino. O primeiro decreto-lei, de 2007, determina que todas as universidades presenciais podem utilizar 20% da carga horária do aluno na modalidade a distância. A outra questão são disciplinas totalmente a distância, como Introdução à Filosofia, Política I e O Humano e o Fenômeno Religioso, mas ainda há uma tendência atual, muito importante, que é o ensino híbrido. Ou seja, a aula não é totalmente a distância e nem totalmente presencial. É o chamado blended learning. Esse ensino híbrido incorpora várias práticas: o aluno lê o texto em casa e vai, por exemplo, para um debate na aula presencial, não é preciso que esteja em sala de aula o tempo todo, a partir do método utilizado pelo professor. Isso é uma questão importante porque respostas podem ser encontradas na internet, mas a forma de raciocinar, resolver problemas e selecionar informações em cima das questões é onde a participação do professor é importante. Esses debates, esse pluralismo de ideias e, muitas vezes, de métodos para se chegar aos resultados é que devem ser explorados em sala. Existe uma nova forma na qual se produz conhecimento. É preciso mostrar que a compreensão do que é a cognição vem mudando. Os nossos alunos têm que exercitar as funções cognitivas de maneira adequada, selecionar informações, descobrir o melhor método para resolver um problema, efetuar análises para tomadas de decisão. Essas funções é que devem ser cada vez mais exercitadas em sala de aula.
Como está o processo de adesão dos professores?
Bergmann
: A adesão é gradativa. Uma das formas bastante utilizadas é o apoio ao presencial – não contabilizado nos 20% do ensino a distância – que é disponibilizar o material da disciplina na internet, com o intuito de prolongar a relação do professor com o aluno para além da sala de aula.
Gilda: A PUC vem investido há bastante tempo no Ambiente de Aprendizagem On-line. Estamos a par e passo com as melhores universidades do mundo, como Harvard e Stanford, oferecendo diferentes ferramentas para o professor: fóruns, videoconferências, blogs, produção de vídeos, entre muitas outras. Agora, o professor deve conhecer o que existe, seja para preparar sua aula, disponibilizar material ou discutir conceitos abordados, posteriormente.
A resposta dos alunos é positiva?
Gilda
: As respostas dos alunos têm sido boas. No caso de Filosofia, que já está há sete anos sendo oferecida como disciplina a distância, mais de 72% dos alunos – que nunca tinham cursado uma disciplina a distância – disseram que o diálogo com os professores foi mais intenso do que em uma aula presencial. Por outro lado, como no ambiente de aprendizagem deve-se mostrar a frequência por meio dos comentários, o aluno precisa estar presente escutando e emitindo opinião através das diversas ferramentas disponíveis no ambiente de aprendizagem on-line.

Publicada em: 26/05/2017 Ver matérias da seção: Entrevista

Nesta Edição

anterior < Uma semana de união e oração Parceria entre o Centro Loyola...

próxima > Empresa Junior abre novo processo seletivo A Empresa Junior disponibiliza...

DESTAQUES

Consciência Negra

O seminário Consciência Negra – Identidade, História e Resistência ocorrerá na quinta-feira, 23, às 8h30, no Auditório Padre José de Anchietal. Leia mais

Pés na Trilha

A Coordenação de Educação Física realizará a atividade Pés na Trilha no sábado, 25, às 7h, na Trilha Praias Selvagens, na Barra de Guaratiba. Leia mais

Doação de Cestas de Natal

Alimentos não perecíveis podem ser entregues no posto de coleta nos pilotis da Ala Kennedy, para a campanha de doação de cestas de natal. Leia mais

Posse Novo Diretor de Engenharia

O professor Nei Dumont toma posse nesta quinta-feira, 23. Leia mais

Projeto CineLetras

Na terça-feira, 21, às 18h, o projeto CineLetras apresenta o drama A Qualquer Custa.
Leia mais

Pós-doutorado CTC

As inscrições para a bolsa de pós-doutorado em Engenharia Industrial pelo Programa Nacional de Pós-Doutorado (PNPD) vão até o dia 1° de dezembro. Leia mais