Expediente Fale conosco
Jornal PUC  
Comunicar 30 anos Brasão da PUC-Rio
Entrevista

A reforma de Francisco Por: Elisângela Almeida

O I Simpósio Internacional: A Eclesiologia do Papa Francisco será realizado entre quinta-feira, 7, e sábado, 9, no Mosteiro de São Bento. O objetivo é reunir especialistas, estudiosos da Bíblia, da história da Igreja, da moral e do Direito Canônico. Organizado pela Sociedade Brasileira de Teologia Sistemática, em parceria com Sociedade de Teologia e Ciência da Religião (Soter), o encontro terá a participação de intelectuais de diferentes países. Professor do Departamento de Teologia, padre Mário de França Miranda, S.J., que é um dos organizadores do Simpósio, explica quais as diretrizes da Conferência.

 Padre Mario de França Miranda, S.J. Foto: Fernanda Maia
Padre Mario de França Miranda, S.J. Foto: Fernanda Maia


Como ocorreu a escolha do tema para o primeiro simpósio?

Padre Mário de França Miranda: A escolha do tema se deve ao fato de o Papa Francisco estar realizando uma reforma na Igreja muito importante. Uma das bandeiras que ele deixou clara, desde o início, era a descentralização da Cúria Romana, autonomia das igrejas locais, dos bispos, e maior participação de todos dentro da Igreja, principalmente do laicato e das mulheres, fazendo com que tenham consciência da sua identidade e da sua missão. O sentido da Igreja é levar a missão de Jesus Cristo, que é implantar o Reino de Deus, que é humanizar a sociedade, continuar o trabalho dele através da história.

Quais os assuntos que serão abordados nos debates?

Padre França: Vamos abordar a eclesiologia do Papa Francisco. Quais as linhas fundamentais do seu modo de ver a Igreja, a participação dos leigos, a opção pelos pobres, a questão da igreja local, a participação de uma nova maneira de missão, trabalho e pastoral. Tudo isso será abordado por meio de palestras e conferências. Nós pretendemos, no futuro, publicar esses trabalhos, para que as pessoas tenham uma consciência do que está por trás da ação de Francisco como Papa. É algo bem definido, mas é preciso que se reflita e mostre isso pela palavra e pelos textos que ele já emitiu. Há convidados da América do Sul, Espanha e de diferentes partes do Brasil.

Como foi a escolha dos convidados?

Padre França: Nós convidamos o teólogo Salvador Pié-Ninot, catalão, que já ensinou em Roma, na Universidade Gregoriana. Ele vai realizar a abertura do primeiro dia e fazer uma espécie de quadro geral dessa eclesiologia, que depois vai ser tratada minuciosamente pelos demais conferencistas. Teremos duas modalidades de participantes, uma é mais aberta, qualquer pessoa que tenha curso de teologia, graduação, ou mesmo mestrado pode participar. E vamos ter um grupo mais reservado, para aqueles que têm doutorado em Teologia, que será um grupo de especialistas, de pesquisadores.

Quais são as contribuições que o Pontificado de Francisco trouxe para a Igreja?

Padre França: Primeiro, a participação do laicato e a descentralização da Igreja, que passa a ouvir mais as comunidades locais. Também a preocupação da enculturação da fé, perceber que a Igreja da África, da Ásia e da Índia têm algo a dizer; respeitar as culturas locais e a maneira de ser deles. E, sobretudo, um ponto que acho forte no pontificado dele, é colocar Jesus Cristo no centro. Como dizem, é uma volta ao Evangelho, uma volta àquilo que é mais central. No trabalho de evangelização, Francisco está indo no que é mais nuclear, fazendo o bem, a caridade, e isso é ser cristão, encontrar Deus no próximo. O mundo hoje vive uma série de conflitos.

Qual o papel do Papa Francisco neste contexto tão conturbado?

Padre França: O problema principal é essa pressão do econômico, que faz com que cada país pense em si próprio. Muitos falam que existe um individualismo pessoal e um individualismo nacional. O Papa tenta mostrar que esse não é o caminho e, do mesmo modo que ataca um sistema totalitário socialista comunista, ataca também um sistema totalitário capitalista. Francisco faz gestos para mostrar que a sociedade está sendo desumana. Fazer de fato o que Deus quer é o que possibilita uma sociedade justa, que Jesus chamava o Reino de Deus, porque Deus está feliz se a gente está feliz. Ele quer que a gente conviva, e eu acho que, nesse ponto, este Papa tem muito claro e tem batido muito forte.

Publicada em: 01/09/2017 Ver matérias da seção: Entrevista

Nesta Edição

anterior < Despertar para a leitura Gilda Carvalho e Marisa M...

próxima > A importância do aluno no Enade 2017 A Coordenadora Central de Grad...

DESTAQUES

Consciência Negra

O seminário Consciência Negra – Identidade, História e Resistência ocorrerá na quinta-feira, 23, às 8h30, no Auditório Padre José de Anchietal. Leia mais

Pés na Trilha

A Coordenação de Educação Física realizará a atividade Pés na Trilha no sábado, 25, às 7h, na Trilha Praias Selvagens, na Barra de Guaratiba. Leia mais

Doação de Cestas de Natal

Alimentos não perecíveis podem ser entregues no posto de coleta nos pilotis da Ala Kennedy, para a campanha de doação de cestas de natal. Leia mais

Posse Novo Diretor de Engenharia

O professor Nei Dumont toma posse nesta quinta-feira, 23. Leia mais

Projeto CineLetras

Na terça-feira, 21, às 18h, o projeto CineLetras apresenta o drama A Qualquer Custa.
Leia mais

Pós-doutorado CTC

As inscrições para a bolsa de pós-doutorado em Engenharia Industrial pelo Programa Nacional de Pós-Doutorado (PNPD) vão até o dia 1° de dezembro. Leia mais